40.000 civis retirados num dia; Armas químicas em Kyiv?
09/03/2022 19:49 em Notícias

 

Aquele que é já o 14.º dia de invasão russa sobre território ucraniano fica marcado pelo novo "cessar-fogo temporário", anunciado na terça-feira por Moscovo, para possibilitar a retirada em segurança de civis das cidades de Kyiv, Chernihiv, Sumy, Kharkiv e Mariupol.

Já esta manhã, russos e ucranianos terão chegado a um acordo que possibilitasse o cumprimento deste cessar-fogo nas localidades onde foram estabelecidos os corredores humanitários para a evacuação de civis, revelou a vice-primeira-ministra da Ucrânia. Porém, continuam a surgir relatos de bombardeamentos em cidades que, teoricamente, estariam abrangidas por estas medidas, como é o caso de Mariupol.

Num balanço destas duas semanas de guerra na Ucrânia, a Organização das Nações Unidas (ONU) dá conta da morte de pelo menos 516 civis até terça-feira, incluindo 41 crianças. Porém, a mesma entidade alerta que "os números reais são consideravelmente mais elevados".

Acompanhe aqui  os mais recentes desenvolvimentos sobre a guerra na Ucrânia:

19h41 - O que são as bombas de vácuo que a Rússia admitiu ter usado na Ucrânia

É considerada uma das piores armas de guerra que existem e a Rússia admitiu tê-la usado durante a invasão à Ucrânia. Mas que bomba é esta? 

19h36 - Parlamento Europeu exige fim dos passaportes dourados e controlo dos vistos 'gold'

O Parlamento Europeu exigiu hoje o fim dos regimes de cidadania pelo investimento, os passaportes dourados, e uma regulamentação mais apertada dos regimes de residência, os vistos 'gold', vincando que ambos não devem ser concedidos a oligarcas russos.

19h27 - Família ucraniana mais do que duplica ao acolher 5 familiares refugiados

Ludmila Artysh vive há 20 anos no Porto e a chegada, quinta-feira, de cinco familiares refugiados da Ucrânia vai mais do que duplicar a convivência em casa. Nada que a preocupe pois, assegura à Lusa, o problema é a guerra.

19h19 - Russos revendem online comida do McDonald's a preços inflacionados

Depois de a cadeia de comida 'fast food' McDonald's ter anunciado que iria encerrar temporariamente as suas 850 lojas em território russo, muitos foram os russos que decidiram criar um negócio paralelo, revendendo a comida na Internet a preços inflacionados. 

19h17 - Detenções "violentas" na Rússia de milhares de manifestantes anti-guerra

As autoridades russas prenderam de forma "arbitrária e violenta" milhares de manifestantes pacíficos contra guerra na Ucrânia, em várias cidades da Rússia, denunciou a Human Rights Watch (HRW).

19h16 - Hospital de São João recebe ucraniana politraumatizada vinda de Lviv

O Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ) vai receber hoje à noite uma mulher ucraniana politraumatizada, em estado grave, vinda de um Hospital de Lviv.

19h00 - "Cessar-fogo temporário" na Ucrânia chega ao fim

Acaba de terminar o "cessar-fogo temporário" de 12 horas acordado entre Kyiv e Moscovo, com o objetivo de possibilitar o estabelecimento de corredores humanitários seguros em algumas das cidades ucranianas mais afetadas pelo conflito.

A medida aplicou-se a várias cidades do país, como é o caso de Kyiv, Chernihiv, Sumy, Kharkiv e Mariupol. Porém, fontes ucranianas relatam que, em algumas destas regiões, o cessar-fogo não foi cumprido.

19h00 - Washington envia baterias de mísseis Patriot para a Polónia

Os Estados Unidos enviaram duas novas baterias de mísseis antiaéreos Patriot para a Polónia, em linha com o seu compromisso de defender o território dos países da NATO, informou hoje um alto funcionário do Pentágono.

18h54 - 40.000 civis ucranianos evacuados em 24 horas

A Ucrânia conseguiu evacuar cerca de 40.000 civis do epicentro da guerra num só dia, apesar do falhanço dos corredores humanitários de Kharkiv e Mariupol, deu conta o diplomata ucraniano David Arakhamia, citado pela Sky News.

A mesma fonte revela que o objetivo, que não foi atingido, passava por ajudar 100.000 pessoas a abandonarem as regiões mais afetadas pelo conflito.

18h46 - Mariupol ficará sem comida em "três a cinco dias", confirma deputado ucraniano

Dmytro Gurin, um deputado ucraniano, disse à Sky News que a Rússia está "a bombardear infraestruturas civis" na cidade portuária do Mar Negro. Por sua vez, os abastecimentos de comida e água estão também "bloqueados".

"Mariupol está sem aquecimento, gás, eletricidade e água", aponta Gurin, que relata que as "pessoas estão a recolher neve para ter água". O deputado estima ainda que, entre os próximos "três a cinco dias, não haverão mais alimentos".

18h36 - União Europeia vai enviar equipamento para manter telecomunicações

Os Estados-membros da União Europeia (UE) manifestaram-se hoje disponíveis para fornecer equipamento informático e de telecomunicações à Ucrânia para manter os serviços operacionais no país e assegurar o funcionamento do governo, apelando ainda à cooperação do setor privado.

18h35 - Fernando Meira diz que Legends Cup, na Rússia, só volta após a "guerra"

O ex-futebolista internacional português Fernando Meira admitiu hoje que a Legends Cup, torneio para antigos jogadores internacionais pelas respetivas seleções, disputado em Moscovo, não se vai realizar "enquanto houver guerra" na Ucrânia.

18h34 - Dono do AS Monaco vai fazer doação para ajudar ucranianos

O milionário russo Dmitry Rybolovlev, que é dono do Mónaco, adversário do Sporting de Braga na Liga Europa de futebol, anunciou hoje que vai doar dinheiro para ajuda humanitária à Ucrânia, após a investida militar da Rússia.

18h33 - Alemanha exclui possibilidade de entregar aviões de combate a Kyiv

O chanceler alemão, Olaf Scholz, excluiu hoje a possibilidade de fornecer aviões de combate à Ucrânia, quando se debate uma possível cedência de caças dos Estados Unidos à Polónia, em troca de este país ceder aviões seus a Kyiv.

18h32 - Rússia admite ter usado armas termobáricas na Ucrânia

O Ministério da Defesa russo confirmou a utilização do sistema de armas TOS-1A durante a invasão à Ucrânia, informa o Ministério da Defesa britânico.

 

Em causa está um sistema que recorre a mísseis termobáricos, capazes de criar efeitos incendiários e de explosão - e tendo, consequentemente, um grande poder de destruição.

18h13 - Mais de 2.500 refugiados ucranianos chegaram à Irlanda

Pelo menos 2.500 refugiados ucranianos chegaram, até ao momento, a território irlandês, adiantou esta quarta-feira a ministra irlandesa da Justiça, Helen McEntee, informa a CNN.

Pelo menos dois terços dos refugiados que chegaram ao país são mulheres, acrescentou ainda a ministra da Justiça, que diz que o país espera receber mais pessoas nos próximos dias.

A Irlanda optou por oferecer, tal como proposto pela União Europeia, proteção temporária aos refugiados sem estes precisarem de apresentar um visto, por um período máximo de três anos.

18h06 - Guarda da Rainha abandona posto para se juntar à guerra na Ucrânia

Um jovem que se alistou à Guarda da Rainha de Inglaterra, que jurou proteger a monarca com a sua própria vida, terá abandonado o seu posto para se juntar à guerra na Ucrânia, noticiam vários meios britânicos.

18h05 - BERD anuncia ajuda de 2 mil milhões de euros

O Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento (BERD) anunciou hoje dois mil milhões de euros em medidas em resposta à guerra na Ucrânia, para fornecer "apoio direcionado a refugiados, empresas e segurança energética".

18h04 - Putin acusa "nacionalistas ucranianos" de impedirem ajuda humanitária

O Presidente russo, Vladimir Putin, culpou hoje os "nacionalistas" ucranianos por dificultarem a evacuação de civis de cidades ucranianas sitiadas.

17h57 - Rússia diz que forças ucranianas comprometeram as linhas elétricas que abasteciam a central de Chernobyl

O Ministério da Defesa russo acusou as forças ucranianas de terem comprometido as linhas elétricas e uma subestação que alimentava a central nuclear de Chernobyl, naquilo que considera ter sido uma "perigosa provocação", informou a agência noticiosa russa Interfax.

Após o fornecimento de energia da central nuclear ter sido cortado, na sequência dos combates entre russos e ucranianos, a Ucrânia alertou para o perigo de fuga de radiação. Porém, a Agência Internacional de Energia Atómica (IAEA) não relatou, até ao momento, qualquer "impacto crítico na segurança". 

17h49 - Silêncio sobre a guerra. Federação Ucraniana quer castigar Tymoshchuk

A Federação Ucraniana de Futebol comunicou, esta quarta-feira, que vai aplicar várias punições a Anatoliy Tymoshchukao, antigo internacional pela Ucrânia e atual treinador-adjunto dos russos do Zenit.

Isto porque o ex-futebolista não se pronunciou uma única vez em torno da guerra que tem afetado o território ucraniano.

17h48 - Autocarro com 43 refugiados chegou à Guarda

Um autocarro com 43 refugiados vindos da Ucrânia, que viajaram desde Varsóvia (Polónia), chegou hoje de madrugada à cidade da Guarda, anunciou a Câmara Municipal.

17h47 - Ocidente alerta para possibilidade de Putin usar armas químicas em Kyiv

Autoridades ocidentais vieram alertar para a sua "séria preocupação" acerca da possibilidade do presidente da Rússia, Vladimir Putin, usar armas químicas no terreno em Kyiv, reporta o The Guardian.

Numa avaliação sobre a situação no terreno, os oficiais dizem que um ataque "absolutamente horrendo" sobre a capital  poderia ser desencadeado à medida que as forças russas consigam ultrapassar as questões logísticas que aparentemente têm atormentado as tropas que se dirigem para Kyiv.

"Penso que temos boas razões para estarmos preocupados com a possível utilização de armas não convencionais, em parte devido ao que vimos ter acontecido noutros cenários", referiu um destes oficiais.

17h38 - Diplomacia da União Europeia insta Rússia a assegurar infraestruturas nucleares

O chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, instou hoje a Rússia a respeitar a segurança de infraestruturas nucleares na Ucrânia, indicando acompanhar a "situação muito preocupante" relativa à central de Chernobyl, desligada da rede elétrica.

17h14 - Boris Johnson repudia ataque a maternidade em Mariupol

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, repudiou os bombardeamentos das tropas de Moscovo sobre uma maternidade e hospital pediátrico em Mariupol, que causaram pelo menos 17 feridos, incluindo mulheres em trabalho de parto.

 

"Há poucas coisas mais perversas do que visar os vulneráveis e os indefesos", atacou Boris Johnson, através de uma publicação na rede social Twitter. "O Reino Unido está a explorar mais apoio à Ucrânia para se defender contra os ataques aéreos e vamos responsabilizar Putin pelos seus terríveis crimes", garante ainda o primeiro-ministro britânico.

17h08 - Blinken chama "absurdos" aos corredores humanitários para a Rússia

Antony Blinken, secretário de Estado norte-americano, disse esta quarta-feira, em conferência de imprensa, que o Ocidente está unido no apelo, feito a Vladimir Putin, para que seja permitida a evacuação segura de civis ucranianos dos locais mais afetados pelo conflito.

Blinken considerou ainda que os corredores humanitários que têm como destino a Rússia e a Bielorrússia são "absurdos".

17h02 - Craques do Benfica ajudam a encher cinco camiões com mais de 100 toneladas

Cinco futebolistas do Benfica ajudaram hoje na recolha de produtos para ajuda humanitária à Ucrânia, junto ao Estádio da Luz, em Lisboa, num total de mais de 100 toneladas de bens angariados e divididos por cinco camiões.

16h59 - Há um táxi preto a resgatar dezenas de refugiados da Ucrânia para Polónia

Roman Tymchyshyn tem 31 anos e tem dupla nacionalidade. É britânico e ucraniano e quando a guerra começou, na madrugada de 24 de fevereiro, não conseguiu ficar indiferente. 

O homem, nascido em Lviv, Ucrânia, regressou ao país de origem e, no seu táxi preto, já transportou cerca de 80 pessoas de Lviv para a fronteira polaca. 

16h52 - Ucrânia leva seis atletas ao Mundial de pista coberta

Ucrânia vai competir nos com seis atletas nos Mundiais de atletismo de pista coberta, em Belgrado, apesar da situação que se vive no país, após a invasão por parte das forças armadas da Rússia, foi hoje anunciado.

16h50 - Membros do Conselho da Europa manifestam-se pela paz

Cerca de 200 membros do Conselho da Europa, incluindo ucranianos e russos, concentraram-se hoje em frente à instituição para apelar à paz, aos valores europeus e ao cumprimento dos direitos humanos no continente, noticia a AFP.

16h48 - Duas semanas de guerra provocaram milhares de mortos e grande destruição

14 dias após o início da invasão russa da Ucrânia, o balanço de vítimas humanas, equipamento militar destruído e outros danos materiais do conflito militar mais grave na Europa desde a II Guerra Mundial aumenta com o intensificar dos combates.

Estes são os números conhecidos que dão conta de milhares de mortos, somando militares e civis, milhões de deslocados, destruição de centenas de tanques e outros veículos de combate, dezenas de helicópteros e aviões caça, entre outros danos materiais.

16h46 - Ministério da Defesa contradiz Putin e admite que há soldados recrutas a combater

O Ministério da Defesa russo admitiu que alguns soldados recrutas estão a participar na invasão russa da Ucrânia, contrariando assim a posição do presidente Vladimir Putin, que tem vindo a negar tais afirmações.

"Descobrimos vários factos que confirmam a presença de recrutas em unidades que participam na operação militar especial na Ucrânia. Praticamente todos esses soldados foram levados para a Rússia", aponta o Ministério, citado pelo The Guardian.

A mesma entidade acrescenta ainda que alguns destes soldados tinham sido entretanto feitos prisioneiros por parte do exército ucraniano.

16h36 - CIM Médio Tejo organiza transporte e ajuda para refugiados

A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMT) vai enviar quatro autocarros à Polónia para o transporte de refugiados ucranianos para Portugal, o primeiro dos quais partirá na próxima sexta-feira à noite.

16h31 - Rússia "falhou largamente" adesão aos acordos de cessar-fogo, acusa a Ucrânia

A Rússia concordou, na terça-feira, em garantir um "cessar-fogo temporário" em seis regiões ucranianas, com o objetivo de permitir a saída, em segurança, de civis dessas zonas. Contudo, Vadym Denysenko, conselheiro do Ministério do Interior ucraniano, diz que Moscovo "falhou largamente" a adesão a estes acordos.

Segundo a mesma fonte, citada pela Sky News, as evacuações terão sido bem-sucedidas em Sumy e em Enerhodar, não tendo acontecido o mesmo na segunda maior cidade da Ucrânia, Kharkiv. Por sua vez, os bombardeamentos terão também persistido em Mariupol.

16h23 - Jovem do Porto cria campanha de recolha de alimentos sem glúten

Uma jovem de 19 anos lançou uma campanha de recolha de alimentos sem glúten para pessoas celíacas (doença autoimune causada pela intolerância ao glúten) afetadas pela guerra na Ucrânia, tendo já pontos de recolha em vários locais do país.

16h13 - "Houve mais de 12 tentativas" de assassinar Zelensky, diz negociador

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky terá escapado a "mais de uma dúzia" de tentativas de homicídio desde que a invasão russa à Ucrânia começou, na madrugada de 24 de fevereiro. 

16h11 - Madeira já enviou cinco toneladas de ajuda humanitária

A Madeira já enviou cinco toneladas de alimentos, medicamentos e roupas para a Ucrânia, indicou hoje o Grupo Sousa, responsável pelo transporte até Lisboa de dois contentores com bens essenciais doados pela população insular.

16h09 - Governo britânico estuda envio de mais mísseis antiaéreos

O Governo britânico está a estudar "fornecer mísseis antiaéreos de alta velocidade Starstreak" a pedido da Ucrânia, salientando que é uma arma de defesa, revelou hoje o ministro da Defesa, Ben Wallace, no Parlamento.

16h08 - Ilustração de Vasco Gargalo em leilão solidário

O cartoonista Vasco Gargalo está a leiloar uma ilustração para ajudar a ‘Caravana Humanitária’, com mais de 60 pessoas, que partiu esta terça-feira de Portugal para a Polónia. 

16h07 - Dez mortos e 16 feridos contra instalações de saúde na Ucrânia, diz OMS

guerra na Ucrânia já matou 10 pessoas e feriu 16 em 18 ataques contra ambulâncias e instalações e profissionais de saúde, indicou hoje a Organização Mundial da Saúde (OMS).

15h55 - França e Países Baixos defendem União Europeia mais forte e soberana

O Presidente francês, Emmanuel Macron, e o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, defenderam hoje em Paris a necessidade de avançar na construção da União Europeia (UE) com "maior independência e soberania estratégica".

15h53 - PSD questiona Governo sobre consequências agroalimentares

O PSD questionou hoje a ministra da Agricultura sobre as consequências agroalimentares da ofensiva militar da Rússia na Ucrânia, perguntando que medidas estão a ser tomadas a nível europeu e nacional.

15h52 - Imagens mostram hospital com seis meses completamente destruído

Um hospital, que tinha sido inaugurado há apenas seis meses, na cidade de Izyum, no leste da Ucrânia, ficou totalmente destruído após ser bombardeado pelas forças russas. Veja aqui o vídeo.

15h49 - Comissão Europeia cria página de internet de informação aos refugiados

A Comissão Europeia criou uma página na internet destinada a prestar informação aos ucranianos que estão a abandonar o país, tendo já fugido da guerra mais de dois milhões de pessoas.

15h45 - Maternidade em Mariupol destruída em ataques aéreos russos

Uma maternidade localizada na cidade portuária de Mariupol, no sul da Ucrânia, foi completamente destruída na sequência de bombardeamentos russos sobre a região, avançou a Câmara Municipal de Mariupol.

 

Segundo a Sky News, o governador de Mariupol adiantou que 17 pessoas, incluindo mulheres em trabalho de parto, terão ficado feridas na sequência do incidente.

 

15h42 - Zelensky agradece "solidariedade" e "forte apoio" de Espanha

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, agradeceu esta quarta-feira a “solidariedade” e o “forte apoio” de Espanha em relação à invasão russa da Ucrânia.

15h40 - Polónia pede para se "cortar o oxigénio" à economia russa

O primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, que está de visita à Áustria, pediu hoje para se "cortar o oxigénio" da "máquina de guerra" russa, sancionando os oligarcas.

15h37 - ONU regista 516 civis mortos e alerta para números muito mais elevados

A guerra na Ucrânia provocou a morte de pelo menos 516 civis até terça-feira, incluindo 41 crianças, mas "os números reais são consideravelmente mais elevados", anunciou hoje a ONU.

15h34 - Mariupol sem água nem comida. Pessoas são enterradas em vala comum

A situação em Mariupol complica-se. Cercada há uma semana pelas forças russas, a cidade está agora sem acesso a água, eletricidade ou gás.

COMENTÁRIOS